Como garantir a segurança de dados em hospitais e clínicas
 

Como garantir a segurança de dados em hospitais e clínicas

Ter um bom notebook com segurança cibernética em hospitais e clínicas é cada vez mais importante. Na área da saúde essa escolha pode determinar que a experiência dos pacientes, médicos e colaboradores seja mais eficiente. A tecnologia no setor vem crescendo de forma ágil, acompanhando a transformação digital em que diversos segmentos estão seguindo para facilitar o diagnósticos e processos com mais agilidade.. 

O grande benefício é transformar dados em informações úteis para os negócios, otimizar tempo, melhorar a performance das entregas e principalmente, manter a segurança dos dados sem que isso prejudique a qualidade na prestação de serviços. Nessa missão de revolucionar a tecnologia, boas máquinas são fundamentais para um processo operacional de qualidade. 

Mas como qualquer ponto que envolva tecnologia, alguns cuidados são necessários para evitar danos e possíveis ataques de hackers. Descubra agora como garantir a segurança de dados em hospitais e clínicas.

Segurança de Dados em Hospitais e Clínicas

 

Os números de ataques na internet são alarmantes. Segundo uma pesquisa realizada pela Palo Alto Networks, entre março e abril de 2020, o total de ataques virtuais no Brasil saltou de 14.000 para 105.000, um crescimento de 86,6%. 

Falando especificamente do setor da saúde, os números também servem de alerta para que profissionais, gestores e colaboradores comecem a estruturar uma área de TI mais robusta. A pesquisa “The State of Cybersecurity in Healthcare Organizations in 2018”, realizada pelo Ponemon com mais de 600 profissionais de TI da saúde revelou que:

  • 71% tiveram um incidente de segurança nos 12 meses anteriores, atribuído à exploração de uma vulnerabilidade de software originada há mais de três meses;
  • 66% tiveram um incidente no mesmo período atribuído a uma vulnerabilidade originada há menos de três meses;
  • 55% dos profissionais de segurança de TI disseram que a segurança dos dispositivos médicos não faz parte da sua estratégia geral de segurança cibernética.

Dados violados são capazes de destruir a imagem de uma instituição do mercado da saúde com o risco de vazamento de dados. Por esse ser um cenário de alto risco que se configura em um ambiente propício para ataques cibernéticos, é preciso ter estratégias bem definidas para evitar problemas.  

Impacto da LGPD em Hospitais e Clínicas

 

Cibersegurança é o tópico principal que uma empresa deve avaliar na hora de transformar e/ou crescer para o ramo digital. As facilidades de um bom software e um bom notebook são infinitas e você precisa saber definir qual tecnologia melhor atende suas necessidades na horade escolher seu produto. 

A segurança e a proteção dos eletrônicos são essenciais. As informações de pacientes e profissionais em sistemas de hospitais e clínicas médicas precisam ser tratadas com seriedade e responsabilidade, a fim de evitar qualquer vazamento.

A Lei n० 13.7090/2018, conhecida como Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), tem como intuito um maior rigor na regulamentação da proteção de dados, resguardando os direitos de liberdade, privacidade e autonomia informativa. Essa questão no âmbito individual e social é extremamente importante para a sociedade. A LGPD estava programada para entrar em vigor em agosto de 2020, mas com o surgimento da pandemia da Covid-19, houve uma prorrogação para 03 de maio de 2021. 

O principal objetivo da lei é garantir uma melhor transparência no uso dos dados das pessoas, proteger usuários sejam eles médicos, pacientes ou funcionários do setor da saúde e evitar o uso indevido. Dentre as inovações advindas da LGPD, uma é importante ser citada: dado pessoal sensível.

Dado Pessoal Sensível

 

O conceito de dado pessoal sensível é relativo à segurança das informações que envolvem a saúde das pessoas. Na lei, ele busca salientar as particularidades da proteção de dados pessoais nos diversos segmentos do setor da saúde: dados genéticos, sanitários, sexuais, etc. 

São mecanismos e ferramentas de segurança da informação que garantem a proteção de forma a minimizar o vazamento de dados através dos ataques cibernéticos no âmbito da saúde. 

É importante que profissionais desse segmento se adequem tecnologicamente à nova Lei para a necessidade de bons notebooks e softwares que alinhem inovação com segurança, sem prejudicar os negócios. 

Dicas de Segurança Cibernética

 

Agora que você conheceu a importância da segurança da informação na área da saúde, saiba como garantir que as boas práticas sejam seguidas.

Primeiramente, procure o apoio de uma empresa que entenda as características e as necessidades de segurança de computadores corporativos da área de saúde e que ofereça soluções que efetivamente protejam os dados sigilosos, tão importantes e essenciais para o funcionamento da sua instituição.

Para um controle e segurança das informações de uma instituição médica, práticas de segurança cibernética são essenciais no dia a dia de cada setor. São elas:

● Proteção dos dispositivos IP na rede: habilitar a criptografia para soluções de segurança.

● Controle o acesso a dados sensíveis: ter uma lista para controle de acesso.

● Uso de firewall: as instituições devem usar um firewall para proteção contra ameaças cibernéticas. Um firewall impede que softwares mal-intencionados entrem na rede.

● Atualização de software: tenha uma rotina para atualizações de softwares, de acordo com as necessidades de cada um. Licenças vencidas ou programas piratas podem representar riscos.

● Senhas fortes: senhas diferentes para cada dispositivo é a melhor opção. Geralmente incluem oito ou mais caracteres, letras maiúsculas e minúsculas, caracteres especiais e pontuação.

Saiba se está na hora de trocar os equipamentos do hospital ou clínica e trabalhar com mais proteção dos dados na área. Clique aqui.